A Morte de Cristo Por Seu Povo – Sermão Nº 2656

10327092_532869040155895_1623794204_nNº 2656

Um Sermão pregado na noite de um Domingo do inverno de 1857,

Por Charles Haddon Spurgeon

Na Capela de New Park Street, Southwark, Londres.

E lido no Domingo, 7 de janeiro de 1900.

 BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO

“Ele deu a sua vida por nós”. 1 João 3:16

Crente, eu lhe convido a contemplar essa sublime verdade, assim proclamada para você em simples monossílabas: “ele deu a sua vida por nós”. Não existe nem uma só palavra extensa nessa frase; tudo nela é muito simples, e é simples porque é sublime. A sublimidade no pensamento exige sempre, para sua devida expressão, a simplicidade com as palavras. Os pequenos pensamentos precisam ser expressos com grandes palavras, e os pequenos pregadores precisam de palavras em latim para transmitir suas fracas ideias, mas os grandes pensamentos e seus grandes expositores se contentam com pequenas palavras.

“Ele deu a sua vida por nós”. Nessa frase não existe muito que poderia ser usado para exibir a eloquência de alguém; existe pouco espaço nela para discussão metafísica ou para o pensamento profundo; o texto nos apresenta uma doutrina simples, mas sublime. Então, o que devo fazer com ele? Se eu pregasse a mim mesmo proveitosamente a respeito desse texto, não teria que empregar minha sagacidade para examiná-lo determinadamente, nem usar minha oratória para proclamá-lo; mas somente precisaria render-lhe culto praticando minha adoração. Permitam-me prostrar-me então com todos os meus poderes diante do trono e, como um anjo que completou sua missão e que já não tem que voar para nenhum outro lado para cumprir as ordens de seu Senhor, permitam-me bater as asas da minha contemplação e comparecer perante o trono dessa grandiosa verdade e inclinar-me mansamente para adorar Aquele que era, que é, e que há de vir: o grandioso e glorioso Ser que “deu a sua vida por nós”. Continue lendo

Olhos Abertos – Sermão Nº 1461B

10156944_515931968516269_530664486_nNº 1461B

Sermão pregado

Por Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

E abriu-lhe Deus os olhos ” Genesis 21:19

Em todo tempo houve uma fonte de água perto de Agar, ainda que ela não a tenha visto. Deus não abriu a terra para fazer que brotassem novas águas, nem mesmo tinha necessidade disso. A fonte já estava lá, mas para todo propósito prático, bem que podia não ter estado onde estava, pois Agar não podia vê-la. A água de seu odre acabou e seu filho estava morrendo de sede, e ela mesma estava a ponto de desfalecer, no entanto, o fresco manancial borbulhava muito perto desse local onde estavam. Era necessário que Agar enxergasse a fonte como era necessário que ela estivesse lá e, portanto, com grande compaixão, o Senhor a conduziu a ver o manancial ou, como o texto expressa, “e abriu-lhe Deus os olhos”. Continue lendo

A Necessidade de Todo Ser Humano – Sermão N° 1455

1483611_514053428704123_394851929_nN° 1455

Sermão pregado por

Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano,  Newington, Londres.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“Necessário vos é nascer de novo” João 3:7

 Quando os homens estão perecendo em torno de alguém, é cruel desperdiçar o tempo interessando suas mentes ou alimentando suas fantasias. Devemos fazer algo mais prático e atender com mais diligência as suas necessidades urgentes. Estão morrendo de fome? Então, forneçamos alimento. Estão morrendo de frio? Então, forneçamos cobertas a eles. Acaso é a enfermidade? Então, ministremos remédios. Quando o caso é urgente, deve se limitar às coisas necessárias e atender de todo o coração o que deve receber nossa atenção. O que pode ser, pode esperar, mas o que deve ser, exige nossa imediata resposta. Agora, as necessidades espirituais dos seres humanos são urgentes e entre elas a mais urgente é sua regeneração: é necessário que nasçam de novo, ou estarão perdidos. Portanto, vamos nos alongar neste tópico agora e vamos lhe dar toda nossa consideração, deixando que outros assuntos interessantes esperem até que este importantíssimo tema chegue à sua feliz conclusão. Continue lendo

Descanso para os Cansados – Sermão N° 1322

1974654_508830875893045_1760177359_nN° 1322

Sermão pregado na noite de Domingo, 22 de Outubro de 1876

Por Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” Mateus 11: 28-30.

 

Nosso Senhor estava declarando a Doutrina da Eleição, agradecendo ao Pai Celeste porque Ele havia escolhido pequeninos, e passado de lado os sábios e prudentes. É muito instrutivo que, bem próximo aos calcanhares desta misteriosa doutrina, venha o gracioso convite do meu texto – tanto quanto se o Senhor Jesus tivesse dito aos Seus discípulos: “nunca deixem que visões sobre predestinação impeçam vocês de proclamar o Meu Evangelho plenamente a toda criatura.” E como se Ele tivesse dito aos não-convertidos: “Não fiquem desencorajados pela Doutrina da Eleição. Nunca deixem que ela seja uma pedra de tropeço no seu caminho, pois quando os meus lábios disseram ‘Eu Te agradeço, ó Pai, que Tu escondeste estas coisas dos sábios e prudentes, e as revelaste aos pequeninos’, eu também continuo falando para vocês, na mais profunda sinceridade de coração, “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso.”

Destacarei desde o princípio quem é que faz tão grande promessa e dá tão livre convite. Há muitos médicos charlatães no mundo e cada um deles proclama o seu próprio remédio. Quem é este Homem que nos chama tão seriamente e nos promete tão confiadamente? Seria Ele um impostor também? Estaria Ele nos enganando? Estaria Ele Se gabando além de Sua capacidade? Ah, não se pode pensar que sim, pois este Homem, este Homem maravilhoso que promete descanso àqueles que vem a Ele, é também Deus! Ele é o Filho do Altíssimo, bem como o filho de Maria! Ele é o Filho do Eterno tanto quanto é o Filho do Homem e Ele tem poder, por causa da Sua Natureza Divina, para realizar qualquer coisa que Ele promete fazer! Continue lendo

Pregando a Cristo Crucificado – Sermão Nº 3218

1903366_502589169850549_2069904146_nNº 3218

Sermão pregado na noite de Domingo, 23 de agosto, 1863;

Por Charles Haddon Spurgeon,

No Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres,

E publicado na quinta-feira, 6 de outubro, 1910.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“Mas nós pregamos a Cristo crucificado.” 2 Coríntios 1:23.

 

No versículo que precede nosso texto, Paulo escreve: “os judeus pedem sinais.” Diziam: “Moisés fez milagres; se vemos que se fazem milagres, então creremos,” esquecendo que todos os milagres que Moisés fez foram totalmente obscurecidos pelos milagres feitos por Jesus no homem, quando esteve aqui na terra. Logo, houve certos mestres judaizantes que, para ganhar os judeus, pregavam a circuncisão, exaltavam a Páscoa e procuravam demonstrar que o judaísmo podia existir lado a lado do cristianismo, e que os antigos ritos ainda podiam ser praticados pelos seguidores de Cristo. Então, Paulo, ‘que a todos os homens foi feito de tudo, para que de todos os modos salvasse alguns,’ tomou uma determinação, e disse, com efeito: “Independentemente do que os outros façam, nós pregamos a Cristo crucificado; e não nos atreveríamos a alterar, nem poderíamos alterar, nem alteraríamos o grandioso tema de nossa pregação, ‘Jesus Cristo, e a este crucificado’.”

Logo acrescentou: “e os gregos buscam sabedoria.” Corinto era o olho mesmo da Grécia, e os gregos de Corinto buscavam avidamente aquilo que valorizavam como a sabedoria, ou seja, a sabedoria deste mundo, não a sabedoria de Deus que Paulo pregava. Os gregos guardavam também a lembrança da eloquência de Demóstenes e outros oradores famosos, e pensavam que a verdadeira sabedoria devia ser proclamada com os enfeites de uma elocução magistral; mas Paulo escreve a esses gregos de Corinto: “me propus não saber entre vós coisa alguma, senão Jesus Cristo e a este crucificado… e nem minha palavra, nem minha pregação foi com palavras persuasivas de sabedoria humana, mas com demonstração do Espírito e de poder, para que vossa fé não esteja fundamentada na sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.Continue lendo

O Retorno do Filho Pródigo – Sermão n° 1189

1624264_489930791116387_667298295_nO Retorno do Filho Pródigo
Nº 1189

Pregado na manhã de domingo, 23 de agosto, 1874,

Por Charles Haddon Spurgeon

no Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“E, levantando-se, foi para seu pai (…)” Lucas 15:20

Essa frase expressa o verdadeiro ponto de inflexão na história da vida do filho pródigo. Muitos assuntos o conduziram a esse ponto, e antes de chegar a ele, havia muito no filho pródigo que era muito encorajador; porém esse foi o momento decisivo, e se nunca tivesse chegado a esse ponto, teria permanecido sendo um pródigo e nunca teria sido o filho pródigo restaurado, e sua vida teria sido uma advertência mais do que uma instrução para nós. “E, levantando-se, foi para seu pai”.

Falando, como faço, em meio a uma extrema debilidade, devo economizar minhas palavras; e enquanto minha voz aguentar, vou direto ao ponto, e peço ao Senhor que faça com que cada sílaba pronunciada seja poderosa por Seu Espírito e tenha uma aplicação prática. Continue lendo

Duas Classes de Ouvintes – Sermão N°1467B

1552979_736953036315333_1851112912_nN°1467B

Sermão pregado por

Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano, Newinton, Londres.

Sem data, publicado em 1879.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“Mas sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. Porque se alguém ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante ao homem que olha em um espelho o seu rosto. Porque ele se olha, vai embora e logo esquece sua aparência. Mas aquele que observa atentamente segundo a lei perfeita, que traz a liberdade, e persevera nela, não sendo ouvinte esquecido, mas praticante da obra, este será bem-aventurado no que faz” – Tiago 1:22-25

Tiago não especulou. Esta máxima “por seus frutos os conhecereis”, parece ter tomado posse de sua mente, sempre exigindo uma santidade prática. Não está satisfeito com os casulos do escutar, mas requer os frutos da obediência. Necessitamos mais de seu espírito prático nos dias de hoje, porque existem certos ministros que não se contentam com semear a velha semente – a mesmíssima semente que da mão dos Apóstolos, confessores, pais, reformadores e mártires produziu uma colheita para Deus – mas gastam seu tempo especulando acerca da semente da discórdia, cultivada debaixo de certas circunstâncias, que não pode produzir trigo; ou se, pelo menos, o bom trigo não melhoraria graças à mescla que se obteria se, tão somente, fosse agregada uma aspersão de sementes de discórdia. Precisamos que alguém tome essas diversas palavras, as ponha em um caldeirão, ferva-as e veja qual o produto essencial e prático que delas surge. Continue lendo

Um Salmo para o Ano Novo – Sermão N° 427

1503539_476161559159977_1350332140_n

N° 427

Sermão pregado na manhã de Domingo, 5 de janeiro de 1862

Por Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

 

“Antes, cresçam na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja a glória agora e para sempre”

2 Pedro 3:18

Considerem, amados, nossos riscos perenes. Aonde poderíamos ir para escapar do perigo? Para onde fugiríamos às pressas para evitar a tentação? Se nos aventuramos nos negócios, o mundanismo aí está. Se nos recolhemos em nossas casas, as provas nos esperam lá. Alguém poderia imaginar que nos verdes pastos da Palavra de Deus haveria uma segurança perfeita para as ovelhas de Deus; pensamos que, certamente, que não haverá nenhum leão ali e que nenhum animal feroz subirá até este lugar. Ai! Mas não é assim, pois, inclusive agora enquanto estamos lendo a Bíblia continuamos expostos ao perigo. Não que a verdade seja perigosa, mas que nossos corações corruptos podem encontrar veneno nas próprias flores do Paraíso. Atentem para o que diz nosso apóstolo acerca das cartas de São Paulo: “nas quais há algumas coisas difíceis de entender” (2 Pedro 3:16). E atentem para o perigo ao qual estamos expostos, não aconteça que, sendo ignorantes e instáveis, pervertamos inclusive a Palavra de Deus para nossa própria destruição. Ainda com a Bíblia ante nossos próprios olhos podemos cometer pecado e, meditando sobre as santas palavras da inspiração, podemos receber uma ferida mortal proveniente do “erro dos iníquos”. Ainda junto aos cantos do altar, necessitamos que Deus nos cubra com a sombra das Suas asas. É uma reflexão muito reconfortante que nosso benigno Pai tenha disposto um escudo que pode proteger-nos de todo o mal, e que o mal da heterodoxia encontre em nosso texto uma apropriada prevenção. Continue lendo

Uma Benção de Ano Novo – Sermão Nº 292

1481224_470560586386741_1063412080_nNº 292

Sermão pregado na manhã de Domingo, 1º de Janeiro de 1860,

por Charles Haddon Spurgeon.

Em Exeter Hall, Strand, Londres.

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“Mas o Deus de toda a graça, que nos chamou à sua glória eterna em Jesus Cristo, depois que tenhais padecido um pouco de tempo, ele mesmo os aperfeiçoe, confirme, fortaleça e estabeleça.” 1 Pedro 5:10.

O apóstolo Pedro passa da exortação para a oração. Ele sabia que a oração marca o fim da pregação no ouvinte, mas que a pregação do ministro deve ir sempre acompanhada de oração. Havendo exortado os crentes a caminhar com firmeza, dobra os seus joelhos e os encomenda à vigilância zelosa do céu, implorando sobre eles uma das maiores bênçãos que o coração mais afetuoso alguma vez haja suplicado.

O ministro de Cristo deve exercer dois ofícios ao povo que está ao seu cargo. Deve lhes falar por Deus e falar a Deus por eles. O pastor não terá cumprido, todavia, com toda a sua sagrada comissão quando tiver declarado todo o conselho de Deus. Somente terá cumprido uma metade. A outra parte deverá desempenhar em segredo, quando carregar em seu peito, como o sacerdote nos tempos antigos fazia, as necessidades, os pecados, as provações e as súplicas de seu povo diante de Deus. O dever diário do pastor cristão consiste por um lado em orar por seu povo, e por outro em exortar, instruir e consolar a esse povo.

Há, contudo, situações especiais quando o ministro de Cristo se vê constrangido a pronunciar uma bênção incomum sobre seu povo. Quando um ano de tribulação passa e outro ano de misericórdia começa, podemos expressar nossos sinceros agradecimentos por Deus ter nos preservado, e nossas fervorosas súplicas por milhares de bênçãos sobre as cabeças daqueles a quem Deus encomendou debaixo do nosso cuidado pastoral.

Esta manhã, tomei este texto como uma bênção de ano novo. Vocês sabem que um ministro da Igreja da Inglaterra sempre me proporciona o tema para o novo ano. Ele ora muito antes de selecionar o texto, e eu sei que hoje está oferecendo esta precisa oração por todos vocês. Ele constantemente me favorece com um tema, e sempre considero meu dever pregar sobre ele, e desejar que meu povo o recorde ao longo de todo o ano para que sirva de apoio no tempo de sua tribulação, como um delicioso manjar, como uma bolacha com mel, como o pedaço do alimento de um anjo, que possa pôr sobre a sua língua e levá-lo até que finalize o ano, para logo recomeçar com outro doce texto. Que bênção maior poderia ter escolhido meu amigo ancião, de pé hoje em seu púlpito, levantando mãos santas para pregar ao povo em uma pacífica igreja camponesa? Que bênção maior poderia implorar ele para os milhares de Israel, que esta bênção que em seu nome pronuncio sobre vocês neste dia: “Mas o Deus de toda a graça, que nos chamou à sua glória eterna em Jesus Cristo, depois que tenhais padecido um pouco de tempo, ele mesmo os aperfeiçoe, confirme, fortaleça e estabeleça.”

Ao pregar sobre este texto, terei que explicar: primeiro o que o apóstolo pede ao céu; e logo, em segundo lugar por que espera recebê-lo. A razão de sua esperança, de receber o que pede, está contida no título que utiliza para se dirigir ao Senhor seu Deus: “MAS O DEUS DE TODA A GRAÇA, que nos chamou à sua glória eterna em Jesus Cristo”. Continue lendo

Não Havia Lugar para Cristo na Hospedaria – Sermão N° 485

1503541_472950786147721_1211315784_nN° 485

Sermão pregado na manhã de Domingo, 21 de Dezembro de 1862

Por Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

 BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“E deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o em panos e o colocou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.” Lucas 2:7

Era necessário que ficasse claramente comprovado, de maneira incontestável, que nosso Senhor procedia da tribo de Judá. Era necessário também que nascesse em Belém-Efrata, conforme a palavra de Deus, a qual havia falado por meio do Seu servo Miquéias. Mas, como se obteria um reconhecimento público da linhagem de um obscuro carpinteiro e de uma virgem desconhecida? Que interesse se supõe que poderiam ter os encarregados dos registros em duas pessoas tão humildes como elas? Quanto ao segundo ponto, Maria vivia em Nazaré da Galileia, e tudo parecia indicar que o nascimento aconteceria ali; na verdade, o período de dar a luz estava tão próximo que, a menos que se visse absolutamente obrigada, não era provável que fizesse uma viagem longa e tediosa à província meridional da Judéia. Como haveriam de conciliar esses dois pontos? É possível, lentamente, alcançar dois objetivos? Se pode fazer! Se fará! O selo oficial do Império Romano ficará estampado na árvore genealógica do Filho de Davi que haverá de nascer, e Belém contemplará Sua natividade. Para mostrar um espírito independente, um tirano menor, Herodes, ofende ao tirano maior, Augusto. Augusto lhe informa que não o tratará mais como amigo, mas como um servo, e ainda que Herodes se submeta à mais abjeta submissão, e ainda que seus amigos na corte de Roma intercedam por ele, Augusto, para mostrar seu desgosto, ordena que se faça um censo de todo o povo judeu, como preparação a um planejado regime tributário, o qual, contudo, não foi levado a cabo cerca de dez anos depois. Nem sequer os ventos e as ondas são mais inconstantes que a vontade de um tirano, mas o Governante das tempestades sabe como governar os perversos espíritos dos príncipes. Continue lendo