Saiba mais sobre C.H.Spurgeon

Destacado

SAIBA quem foi C.H.Spurgeon AQUI http://www.projetospurgeon.com.br/quem-foi-spurgeon/quem-foi-charles-haddon-spurgeon/

COMPRE ebooks de Spurgeon na Amazon editados e traduzidos pelo nosso Projeto AQUI (você apoia diretamente nosso trabalho) https://amzn.to/34EQ6ig 

COMPRE Livros físicos de Spurgeon na Livraria El Shaddai (entrega para todo Brasil) https://www.ellivros.com.br/catalogsearch/result/index/?p=1&q=Spurgeon

ASSISTA  documentários e palestras sobre a vida e obra de Spurgeon AQUI http://www.projetospurgeon.com.br/quem-foi-spurgeon/charles-spurgeon-o-pregador-do-povo-documentario/

LEIA GRÁTIS sermões inéditos de C.H.Spurgeon AQUI http://www.projetospurgeon.com.br/sermoes/ineditos/

LEIA GRÁTIS sermões de Spurgeon no Projeto Castelo Forte AQUI http://projetocasteloforte.com.br/nossas-traducoes/charles-spurgeon/

LEIA MAIS livros inéditos de C.H.Spurgeon AQUI http://www.projetospurgeon.com.br/sermoes/livros/

OUÇA sermões de Spurgeon narrados por Josemar Bessa AQUI https://www.youtube.com/user/Spurgeontv

APOIE nossos Projetos contribuindo com qualquer valor no nosso PIX email : projetospurgeon@gmail.com

LANÇAMENTO de livro impresso “O melhor de Charles Spurgeon – Cristo, nossa Páscoa”, da GodBooks

É COM GRANDE ALEGRIA que anunciamos que nosso Projeto Castelo Forte acertou uma nova parceria de publicação impressa de algumas de nossas traduções de livros e sermões com a Editora GodBooks , e com imensa satisfação divulgamos o primeiro trabalho desta união, o livro IMPRESSO “O melhor de Charles Spurgeon – Cristo, nossa Páscoa”, no qual foram publicados dois sermões traduzidos por nossa equipe , o sermão n°54 “Cristo, nossa Pàscoa” e o sermão n°55 “Êxodo” , tradução de Bárbara Thomaz  , revisão Vittor Rocha . Capa , Marcus Nati do Brother Bíblia . O livro conta com apresentação do pastor Alderi de Souza Matos . Nosso louvor a Deus por essa parceria, nosso agradecimento ao editor Mauricio Zagari por topar essa iniciativa e acreditar em nosso trabalho. Que o Senhor use essa publicação para salvação de muitos e edificação da Igreja.

AQUI https://amzn.to/3qWbM1y

 

Há 130 anos, falecia Charles Haddon Spurgeon, em Menton, sul da França.

Por Armando Marcos

Hoje relembramos os exatos 130 anos quando Charles Haddon Spurgeon, conhecido em seus dias como “O Príncipe dos Pregadores” e “Último dos Puritanos”, o maior pregador batista de língua inglesa da segunda metade do século XIX, entrou na Glória eterna em Cristo, na noite de 31 de Janeiro de 1892. Irei aqui fazer um pequeno apanhado dos acontecimentos que contribuíram para que esse dia ficasse marcado na memória protestante inglesa, e de todo o povo de Deus em geral.

Spurgeon já enfrentava constantes problemas de saúde relacionados com frequentes crises de gota reumática desde os fim da década de 1860. Na década de 1870, ele constantemente passava os meses de inverno na cidade de Menton, um balneário turístico no sul da França, por recomendação de seu médico, que acreditava que os sintomas seriam aliviados pelo clima ameno e quente. Esse local era também frequentado pelo amigo de Spurgeon, George Müller.

Charles Spurgeon, além das funções pastorais, acumulava diversas outras atividades relacionadas ao seu chamado pastoral e filantrópico, como escritor, palestrante, presidente das diversas associações vinculadas ao Tabernáculo como presidente do Colégio de Pastores, o Orfanatos para crianças, a associação evangelística de distribuição de literatura, editor, além de responder milhares de cartas e telegramas, e isso tudo realmente ajudava com que seu labor acumulasse ao ponto da exaustão.

Durante a década de 1880, cada vez mais Spurgeon se ausentava do púlpito pelas crises de gota e também nessa época foi diagnosticado com ‘Doença de Brights’, uma espécie de inflamação renal que o imobilizava frequentemente.

Depois, em 1887-1888, com a polêmica que ficou conhecida como “A Controvérsia do Declive” , na qual Spurgeon lutou pela ortodoxia entre os batistas, muitos autores e colegas de sua época são unânimes em afirmar que esse evento abalou profundamente sua já debilitada saúde, motivo de grande preocupação geral.

No ano de 1891, Spurgeon certamente parecia muito mais velho do que sua real idade, e nesse tempo ele convidou um amigo americano, o pastor presbiteriano Arthur Pierson, para assumir seu lugar no púlpito do Tabernáculo em sua licença medica anual . Spurgeon pregou seu último sermão em Londres em 7 de junho. Nas semanas seguintes, empreendeu uma viagem a cidade em que foi criado com seus avós, Stambourne, no interior inglês, onde junto com um fotografo, escreveu suas memórias dessa época. No fim de outubro, partiu então para Menton acompanhado de seu secretário particular, John Harrald, seu médico particular, e pela primeira vez com sua esposa, Susannah Spurgeon. Entre Novembro e Dezembro seu estado de saúde pirou bastante, e muitos na Inglaterra fizeram grandes campanhas de oração dentre todas as congregações evangélica, desde o batistas até os anglicanos.

No fim do ano de 1891, Spurgeon apresentou uma significativa melhora, o que possibilitou que ele pregasse dois breve sermões de ano novo para seus colegas e amigos que o acompanhavam no hotel em que estavam hospedados. Spurgeon ainda por alguns dias conseguiu escrever cartas e avançar na escrita de seu livro, um comentário ao Evangelho de Mateus. Ele ficou imensamente grato pelas notícias de orações por sua recuperação, e continuaria seu trabalho ao Senhor alegremente, porém, seu estado rapidamente deteriorou-se, e entre o dia 19 e 27, agonizou com diversas dores, convalescendo ao lado de sua esposa. No dia 28, entrou em coma, e aproximadamente às 23 horas de um domingo, dia 31 de Janeiro , Spurgeon faleceu.

No dia seguinte, seu corpo foi preparado e ele foi trasladado para Igreja Presbiteriana em Menton. Assim que a notícia do falecimento saiu, os telégrafos de Menton ficaram congestionados com mensagens de pesar e luto, incluindo do Príncipe de Gales. Londres, a Inglaterra, a América e todo mundo de língua inglesa foram pegos de surpresa com o falecimento de Spurgeon , o qual não eram realmente esperado, considerando que seu estado de saúde sempre foi ruim, mas recentemente apresentara melhora, como relatado acima.

O corpo de Spurgeon então foi trasladado à Londres, e foi velado no Colégio de Pastores durante alguns dias, nos quais os alunos puderam prestar seus respeitos, e também no Tabernáculo Metropolitano, onde durante dias milhares de pessoas visitarem os serviços fúnebres , o que causou grande comoção. Em 14 de fevereiro, foram realizados os serviços finais, nos quais Iain Sankey, amigo de Spurgeon e colega de D.L.Moody, cantou hinos, e muitos pregadores pregaram. Spurgeon foi então levado em cortejo por Londres até o Cemitério de West Norwood, onde o Arcebispo da Cantuária fez uma oração os pastores Pierson e Archibald Brown, colega de ministério de Spurgeon, fizeram suas considerações finais.

Desde então, o corpo de Spurgeon, hoje ao lado de sua esposa Susannah e de seus filhos Thomas e Charles Jr, esperam o dia quando o Senhor voltará e eles se levantarão em corpos ressuscitados para glória final.

Bibliografia consultada 

Spurgeon : Uma nova Biografia, de Arnold Dallimore, PES

Autobiografia de Charles Spurgeon, em 4 volumes, compilado por Susannah Spurgeon

O Spurgeon que foi esquecido, de Iain Murray, PES

Saiba mais sobre C.H.Spurgeon

COMPRE ebooks de Spurgeon na Amazon editados e traduzidos pelo nosso Projeto AQUI (você apoia diretamente nosso trabalho) https://amzn.to/34EQ6ig 

Há 187 anos, nascia Charles Haddon Spurgeon, em Kelvedon, Inglaterra

Hoje lembramos os 187 anos de nascimento de Charles Haddon Spurgeon, no dia 19 de junho de 1834, na Inglaterra. A seguir, uma pequena prévia do livro “Vida e Obra de Charles Spurgeon“, escrito por Armando Marcos, sem data de lançamento ainda:
 
“John Spurgeon, pai de Charles, nasceu na vila de Stambourne em 15 de julho de 1811, no primeiro ano do pastorado de seu pai, James nessa localidade. John também se sentiu chamado ao ministério pastoral, mas no começo, tal como seu pai, não seguiu o ministério em tempo integral, e trabalhava durante a semana e pregava aos fins de semana em algumas igrejas Congregacionais da região. John trabalhou muito tempo como contador de empresas de carvão e teve vários negócios próprios. Assumiu o ministério em tempo integral apenas aos 40 anos.
 
John Spurgeon casou-se com uma moça chamada Eliza Jarvis em 1833 . Juntos, tiveram 17 filhos, dos quais apenas 8 sobreviveram à infância. Desses, Charles Haddon Spurgeon nasceu exatamente no dia 19 de junho de 1834. Nasceu na pequena vila de Kelvedon, Essex. Segundo seus diversos biógrafos, nasceu nesse povoado por conta do trabalho itinerante do pai nessa época. O pequeno Charles foi batizado em 3 de agosto do mesmo ano, pelo avô James, na Igreja Congregacional de Stambourne. Recebeu o nome “Charles” em homenagem a um irmão de sua mãe que chamava-se “Charles Parker Jarvis”, e o segundo nome, “Haddon”, em homenagem a um irmão de seu pai John que chamava-se “Haddon Rudkin Spurgeon”. Esse tio tinha recebido esse nome como homenagem de James para um amigo seu que era diácono de sua igreja e que o ajudou em certos negócios de vendas de laticínios quando James Spurgeon era jovem, ainda antes de assumir o ministério pastoral . Em sua autobiografia, Charles conta que gostava do “Tio Haddon”, mas achava que seu nome tinha ficado longo demais, e por isso chamou seus filhos gêmeos de Charles e Thomas, sem nome do meio .
 
Durante pouco mais de um ano, Charles foi criado com John e Eliza, mas em agosto de 1835, ele foi entregue aos cuidados dos avôs paternos. O pequeno Charles moraria em Stambourne durante 5 anos aproximadamente. A providência divina estavam atuando”
 
#históriadaigreja #spurgeon

Há 130 anos, Charles Spurgeon pregou seu último sermão no Tabernáculo Metropolitano, em Londres

Hoje nós do Projeto relembramos que há 130 anos, no dia 7 de junho de 1891, o pastor batista mais famoso da Inglaterra de seus dias, Charles Haddon Spurgeon, pregou pela últimas vez em sua igreja, o Tabernáculo Metropolitano, no bairro de Newington, sul de Londres.
 
Charles Spurgeon desde os anos 1870 tinha constante dores causadas por reumatismo, gota e problemas renais. Sua saúde deteriorou-se mais ainda no fim dos anos 1880, que forçaram que muitas vezes Spurgeon não conseguisse sequer levantar da cama, e em muitas temporadas seus médicos recomendavam que ele tirasse férias no sul da França, considerada com um melhor clima para reabilitação do “último dos puritanos”.
 
Spurgeon tinha muita dificuldade de manter-se em pé e caminhar devido aos frequentes ataques de gota, uma doença que inflama as articulações. Era frequente que Spurgeon se apoiasse no corrimão de sua plataforma no Tabernáculo, e se apoiasse em cadeiras para pregar. Nessa data, em junho de 1891, Spurgeon pregou um sermão em 1 Samuel 30, o sermão n° 2028 chamado “O Estatuto de Davi para a partilha do despojo”. As palavras finais dele foram:
 
“Se Ele nos manda carregar um fardo, Ele também carrega tal fardo conosco. Se houver algo que seja gracioso, generoso, gentil, terno, luxuoso e super abundante em amor, você sempre o encontra Nele. Nestes quarenta anos eu O servi, bendito seja o Seu nome, e eu não tive nada além de amor Dele. Eu ficaria feliz em continuar mais quarenta anos no mesmo serviço querido aqui embaixo, se isso Lhe agradasse. Seu serviço é vida, paz, alegria. Oh, que você se refugie Nele de uma vez! Deus o ajude a se alistar sob a bandeira de Jesus ainda hoje! Amém”
 
E logo após o sermão Spurgeon teve que se retirado do seu púlpito carregado, em dor extrema.
 
Nos meses seguintes Spurgeon ainda viajou para cidade de seus avós, Stambourne, onde ele passou sua infância, e lá escreveu seu último livro completo , “Memórias de Stambourne” . No fim do mês de Outubro, viajou para Menton, sul da França, com sua esposa Sussanah, de onde entraria para Glória em 31 de janeiro de 1892, aos 57 anos.

SIGA nosso Instagram https://www.instagram.com/projetocasteloforte/

 
#hojenahistória #spurgeon #historiadaigreja

Falece J.I.Packer (1926-2020)

Faleceu hoje, aos 93 anos, o pastor anglicano e professor de teologia, James Innell Packer , mais conhecido como J.I.Packer (1926 – 2020). Ele foi um gigante da fé, da Teologia Reformada e da igreja cristã.

Suas décadas de serviço, ensino e dedicação piedosas para a causa do Reino de Cristo são um legado que será sentido por muitas gerações.

Esse desenho é uma homenagem em louvor ao Senhor pelo reverendo e teólogo anglicano reformado. Uma benção de Deus para Sua igreja pela qual damos graças. Seu livro “O Conhecimento de Deus” foi essencial para nossa caminhada espiritual e me apresentou a outros gigantes do passado, como J.C.Ryle.

Finalmente Ryle, Martin Lloyd-Jones, John Stott e Packer adoram juntos ao Senhor Jesus na glória :

Armando Marcos 

Projeto Spurgeon – 11 anos

Hoje é um dia especial para mim, pois faz 11 anos que criei o Projeto Spurgeon – Proclamando a Cristo Crucificado. Na época, era apenas um blog chamado inicialmente de “Projeto Charles Spurgeon” que eu usava para postar algumas traduções próprias de sermões e textos do Spurgeon que eu lia constantemente em espanhol do site do meu amigo mexicano Allan Roman, hoje já falecido. 11 anos depois, hoje esse Projeto é um dos maiores sites da internet em português sobre a vida e obra de Charles Haddon Spurgeon. Creio que por ele o Senhor abençoou muitos, alem de mim mesmo.
 
Certamente nesses 11 anos o interesse sobre o Spurgeon cresceu absurdamente. Depois dessa iniciativa, muitos outros sites, livros e obras de textos e sermões de Spurgeon surgiram no Brasil, e acredito que nosso Projeto teve um papel nesse aumento de interesse que só o Senhor pode mensurar.
 
Depois de vários altos e baixos, hoje estamos trabalhando para que esse Projeto seja um referencial sobre a vida e obra do chamado príncipe dos pregadores, e estamos repostando vários sermões e livros, bem como trabalhando para uma futura biografia. Orem por esse trabalho 🙂
 
Soli Deo Gloria
 
Armando Marcos – editor e criador de Projeto Spurgeon e Projeto Castelo Forte

Soberania e Salvação – Sermão n° 60

Soberania e Salvaçãonº 60

Um sermão pregado na manhã do Domingo, 6 de Janeiro, 1856

por Charles Haddon Spurgeon

Na Capela de New Park Street, Southwark, Londres.

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

 BAIXE EM PDF

 

 

“Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra, porque eu sou Deus, e não há outro.” Isaías 45:22.

 

Há seis anos atrás, quase nesta mesma hora do dia, me encontrava “em fel de amargura e em laços de iniquidade.” Contudo, pela graça divina, já tinha sido conduzido a sentir a amargura dessa servidão, e a clamar em razão da maldade dessa escravidão. Buscando o descanso sem encontrá-lo, entrei na casa de Deus e me sentei ali, temendo que, se levantasse o olhar, poderia ser cortado e consumido completamente por Sua severa ira. O ministro subiu ao púlpito e, da mesma forma como acabo de fazer, leu este texto: “Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra, porque eu sou Deus, e não há outro.” Eu olhei no mesmo instante e a graça da fé me foi outorgada ali; e agora creio que posso afirmar verdadeiramente:

“Desde que pela fé vi a torrente,
Que é alimentada por Suas feridas sangrentas,
O amor redentor foi meu tema,
E assim será até que morra.”

Continue lendo

Biografia “Vida e Obra de J.C.Ryle” , de Armando Marcos

Confiram o lançamento do livro “Vida e Obra de J.C.Ryle”, escrito por Armando Marcos, editor de Projeto Spurgeon e Projeto Castelo Forte. Com 150 páginas, 86 ilustrações e 187 notas de rodapé, trata-se da primeira biografia em português sobre o  primeiro Bispo da diocese anglicana de Liverpool. Prefacio do bispo anglicano Josep Rossello.

BAIXA O EBOOK EM PDF GRÁTIS AQUI

COMPRE NA AMAZON AQUI

Todo o Evangelho em um Único Versículo – Sermão N° 2300

Capa Uma Visita a Belém SpurgeonN° 2300

Sermão pregado no Domingo

Por Charles Haddon Spurgeon

No Tabernáculo Metropolitano, Newington

BAIXE EM PDF

COMPRE NA AMAZON (APOIE O PROJETO)

“Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal.” — 1 Timóteo 1:15 (ACF)

Ontem, enquanto conversava com um colega de ministério que tinha sido pastor nos Estados Unidos, lhe perguntei por que estava tão ansioso para regressar a esse país, apesar do clima tê-lo tratado tão mal. Sua resposta foi: “Amo as pessoas para as quais prego.” Eu voltei a perguntar: “Que tipo de pessoas é”? “E ele me respondeu: “São pessoas que se reúnem ansiosas para receber o bem”. Não estão preocupadas em descobrir minhas falhas, mas buscam obter o maior bem do Evangelho que prego.” Então eu lhe disse: “Vale a pena atravessar o oceano para ir ao encontro de uma congregação que conta com esse tipo de pessoas.” Continue lendo